Sorrisos

Ciência Baseada na Seriedade…

Estamos no auge e na crista da onda daquilo a que chamamos a Ciência Baseada na Evidência Médica, ou pelo menos a sua procura e entendimento.

É assim que se faz investigação

Temos de recolher informação disponibilizada em estudos levados a cabo por investigadores, pelas Universidades de todo o mundo e retirar conclusões assentes em evidências verdadeiras, não em meras opiniões ou apenas na experiência individual de cada um. Temos de ser verdadeiros e relatar o que fazemos bem e o que fazemos mal e não ter medo de comparar os nossos resultados com os dos nossos pares, com aqueles que fazem o mesmo que nós, que ocupam o seu tempo com o mesmo tipo de ocupação científica, médica, académica ou cirúrgica.

Que profissional queremos ser?

Quando exercemos uma actividade profissional, temos de nos saber definir em que patamar nos queremos colocar: Naqueles que executam técnicas bem estudadas e demonstradas pela razão e peça experiência. Naqueles que executam técnicas que são fantásticas, que dão notoriedade, mas que apenas um punhado de cientistas as conseguem executar na perfeição. Naqueles que estudam e tentam melhorar as técnicas no seu dia a dia. Naqueles que investigam e criam técnicas novas, acentes no conhecimento já existente e acrescentam algo de novo, com base, com suporte científico.

Evidência Científica vs Evidência Comercial

A evidência científica nem sempre é a mesma e está alinhada com a evidência comercial. A evidência comercial é aquela que melhor funciona perante os pacientes e que nem sempre vem agregada como a melhor opção o a mais evidente em termos científicos. Estamos a atravessar um deserto em que há diminuição de recursos disponíveis e com isto, a luta pela sobrevivência a tudo leva e legitima, estamos na era do “vale tudo”:

– Um sistema de ensino que debita 750 licenciados por ano para um mercado já saturado e exausto.

– Grandes Grupos a tratarem tudo e todos como folhas de Excel.

– As Clínicas a anunciarem verdadeiros milagres e técnicas quase únicas e que muitas vezes não apresentam o domínio e o controlo que deveriam ter no processo médico e cirúrgico.

– A confusão que existe em que todos os médicos dentistas parecem saber fazer o mesmo e terem estudado o mesmo, onde uns conseguem num curso de fim de semana aprender e apreender o que outros demoraram anos de dedicação, estudo e experiência para o fazer.

E onde ficam os pacientes no meio de esta confusão, como se podem proteger?

Tal como quando nós, médicos, investigadores, fazemos quando estamos a recolher informação científica, temos de saber levar a cabo um processo de validação de conteúdos e das fontes, ou seja, temos de perceber se o que diz num artigo científico é verdadeiro, é útil, é reproduzível e tem fontes fidedignas.

E temos motores de busca, temos locais apropriados para fazermos a “triagem” para nos certificarmos de que as técnicas ou conceitos novos que estão ser anunciados e introduzidos no meio científico ou médico são sérias e reproduzíveis num contexto “in vivo”, nos nossos pacientes e não apenas num meio “in vitro”, apenas funcionando em laboratório num ambiente com condições e variáveis externas excepcionalmente controladas.
Daqui eu pretendo concluir e alertar que o processo de tratamento baseado numa relação séria, profissional e honesta de médico-paciente como qualquer outro tipo de relação, científica ou social, depende dos dois observadores, depende dos dois intervenientes, neste caso, depende do médico e do paciente.

A relação depende das duas partes envolvidas

Deverá ser um processo sério e de responsabilização mútua e bilateral.

Da parte do médico, este deve ser responsável por:

– Respeitar o paciente e manter um ambiente cordial e confortável com o paciente em tratamento.

– Ter as habilitações necessárias para poder levar a cabo aquilo que anuncia ser capaz de fazer

– Ter garantido a seriedade e a qualidade das suas fontes, das suas bases, dos locais onde aprendeu e onde recolheu os seus conhecimentos.

– Proteger o paciente, selecionando os produtos de melhor qualidade e as técnicas mais previsíveis e mais bem estudadas.

– Não fazer experiências com pacientes, a não ser em estudos devidamente preparados, em centros de pesquisa e após validação das respectivas comissões de ética envolvidas terem dado parecer positivo e “luz verde” a tais experiências.

– Deve informar o melhor que puder e souber o paciente em relação ao tratamento que lhe propõe, explicando as vantagens, desvantagens, perigos, eventuais complicações, duração e longevidade e respectivas garantias.

Da parte do paciente, este deve ser responsável por:

– Respeitar o médico e manter um ambiente cordial e confortável com o médico em tratamento.

– Recolher informações acerca do médico que escolhe para o tratar e perceber e investigar acerca das suas habilitações, do seu curriculum. Não podemos correr o risco de querer comparar profissionais e por vezes até se pode tornar ofensivo, estar-se a comparar diferentes profissionais, e até estar a compara honorários em profissionais que nada têm a ver um com o outro quer em termos de experiência, quer em termos de currículo, quer em termos do tipo de materiais e instalações utilizadas no tratamento.

– Pedir ao médico para lhe mostrar Casos Clínicos semelhantes tratados, com imagens, fotos e Raio-X de situações que podem ser utlizados durante o tratamento do paciente.

– Se for possível recolher informações junto de pacientes já tratados com técnicas semelhantes, salvaguardando a proteção de dados dos intervenientes.

– O próprio paciente poderá informar-se das suas opções de tratamento para poder junto do médico ter um papel mais activo e informado para se poder chegar a uma partilha de responsabilidade no momento da decisão do plano de tratamento.

Sem ilusões

Não devemos ter ilusões, ou ser desonestos e dizer que corre tudo sempre da melhor maneira possível em todas intervenções e que conseguimos garantir a 100% o cumprimento das expectativas dos pacientes.

As expectativas e a sua gestão, também ela bilateral

Expectativas da parte do médico:

O médico tem de conseguir gerir as suas expectativas num contexto clínico e científico de que as suas técnicas e conhecimentos ao dispor serão suficientes em todos os Casos Clínicos para poder tratar o paciente. Mas nem sempre assim acontece e também é desta forma que o profissional se vê obrigado a:

– Procurar novos materiais bem estudados e com provas dadas

– Ponderar o envio do paciente a um colega que esteja melhor preparado e qualificado a levar a cabo o tratamento

– Perceber que está na altura de melhorar o seu Curriculum e procurar conhecimento, ir estudar e treinar com médicos, cirurgiões mais experientes.

– A não querer ir estudar mais, deve perceber os seus limites e não os ultrapassar correndo sério risco de não conseguir cumprir o plano de tratamento com o rigor e qualidade que o deve fazer, podendo resultar daí elevado dano para o paciente.

Expectativas da parte do paciente:

– Deve perceber que o impossível é inimigo do equilíbrio e do bom senso e deverá refletir e medir muito bem acerca da sua expectativa do tratamento para não ficar desiludido.

– Exigir ao Clínico uma explicação precisa, completa e bastante esclarecedora e confrontar as expectativas que tem em relação ao tratamento e aos possíveis resultados finais.

– Perceber todas as complicações possíveis durante o tratamento.

Manter uma boa relação

Como todas as relações, sejam elas profissionais, médicas, pessoais, dependem de um equilíbrio e de uma dinâmica muito especifica e que requer uma manutenção e esforço de ambas as partes.

Com educação, bom senso e seriedade, a ciência poderá estar ao dispor quer do médico, quer do paciente, neste processo fantástico de devolver e melhorar a saúde, a função e a estética ao corpo humano

A seriedade de todo o processo é baseada na ciência da relação entre médico e o paciente.

Termino a agradecer a vosso tempo e atenção com este meu texto.

Até breve e não se esqueçam de serem felizes. Apesar de tudo, sorrir não dói.

Se for o caso, se o facto de sorrir lhe provoca dor, náusea, ou desequilíbrio, consulte o seu médico dentista.

Até uma próxima oportunidade!

Dr. Luis Pinheiro

Dr. Luis Pinheiro

• Mestre em Cirurgia Oral e Maxilofacial no Eastman Dental Institute – University College of London
• Membro Associado da Sociedade Britânica de Cirurgia Oral (n.º 2277)
• Membro associado da Sociedade Portuguesa de Cirurgia Oral
• Pratica Exclusiva privada em Cirurgia Oral e Implantologia
• Implantologia e Cirurgia Avançada em Cadáver – Universidade de Barcelona
• Reabilitação de Maxilas Atróficas com Credenciamento em Implantes Zigomáticos – INEPO – São Paulo
• Membro permanente da equipa de formação da S.I.N. – Implant System – como orador para Portugal e Europa, com mais de 1000 horas de formação dada, Cirurgia Oral e Implantologia

Partilhe o nosso artigo

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Siga-nos

Outros artigos

Caso do Mês – Bruno Vitorino

O paciente apresentou-se na clínica com uma degradação muito avançada do seu estado de saúde oral. Apresentava muita falta de dentes principalmente na zona dos dentes posteriores, dentes fracturados principalmente ao nível do maxilar superior e com perda da dimensão do terço inferior da face (dimensão vertical).

Ver Artigo»

A nossa visão do presente e do futuro

Esta semana, convidamos os nossos seguidores a verem o vídeo do Dr. Luís Pinheiro, onde irá ser abordada a visão do presente e do futuro da Clínica CERO. Eis os principais pontos que irão ser destacados:

Ver Artigo»

CASO DO MÊS

REABILITAÇÃO ORAL EXTREMA – IMPLANTES ZIGOMÁTICOS Hoje vimos aqui apresentar um caso clínico que demonstra até onde os nossos ossos

Ver Artigo»

OS IMPLANTES ZIGOMÁTICOS

O QUE SÃO IMPLANTES ZIGOMÁTICOS? Vamos começar por nos localizarmos: Os implantes Zigomáticos têm este nome porque são implantes colocados

Ver Artigo»

CASO DO MÊS

Quando a gengiva não nos facilita a obtenção de um resultado estético previsível…. A nossa publicação de hoje tem como

Ver Artigo»

ENXERTOS ÓSSEOS – MITO VS REALIDADE

ando começamos um texto, uma comunicação ou uma palestra com uma frase chave, como a que está acima tem um propósito: – Chamar a atenção dos leitores, ou dos ouvintes. Nesta situação, a chamada da atenção não para os enxertos de osso em si, porque eles existem…

Ver Artigo»